30 de jan de 2016

Na Rua Doutor Satamini, casarão dos anos 1920 volta a ser desocupado

Casario eclético da Rua Doutor Satamini na esquina de Professor Gabizo: desocupação e futuro incerto.


Apesar do alarde na imprensa, estes tempos de crise econômica não chegou a afetar tão negativamente o comércio da Tijuca. Mas, houve uma exceção: o Odorico Bar, que fechou suas portas recentemente no bairro. Comentários à parte sobre a qualidade e popularidade do estabelecimento, que, no último ano, vivia sem clientela, o que chama a atenção aqui é o imóvel ocupado pelo bar. 

Situado na esquina das ruas Doutor Satamini e Professor Gabizo (a uma quadra da Praça Afonso Pena), o Odorico foi um empreendimento bem-vindo à Tijuca não só por causa da sua bem-sucedida matriz ao lado cinema Estação Net Rio, em Botafogo, mas também porque reformou e resgatou um importante patrimônio tijucano.

Construído nos anos de 1920 em estilo eclético, o lindo casario passou décadas abandonado e à mercê da especulação imobiliária, que por pouco não forçou sua demolição. Segundo informações do Jornal O Globo, de 11 de agosto de 2005, a prefeitura havia tombado naquele ano o imóvel por recomendação do Conselho Municipal de Proteção do Patrimônio Cultural do Rio de Janeiro.

A crise parece ter afetado igualmente a matriz de Botafogo, também fechada há pouco tempo. O espaço diminuto onde o Odorico Bar funcionava na Rua Voluntários da Pátria já deu lugar a outro empreendimento comercial, mas, na Tijuca, o destino do imóvel ainda é incerto. Por tratar-se de um espaço relativamente grande e com limitações técnicas por ser Patrimônio, a manutenção é possivelmente custosa. Em suma, uma "boutique em ponto fraco". Esperamos que não volte a ser abandonado.

21 de jan de 2016

Linha 413 vira 213 ao ser limada das ruas da Zona Sul

Linha 413: lataria dos anos 1990 é recordada com nostalgia

Na segunda etapa da operação que tem reorganizado os ônibus que circulam na Zona Sul do Rio, acabou sobrando para a nossa linha 413 (Muda-Jardim de Alah). Com a implantação das “troncais”, como estão sendo chamadas as novas linhas que ligam a Zona Sul ao Centro, a Prefeitura seccionou o itinerário de três linhas que saíam da Zona Norte. O objetivo é o de conferir maior "racionalização" ao sistema de ônibus carioca.

Desde a semana passada, a linha 413, uma das afetadas, circula apenas entre a Muda e o Castelo, no Centro, onde o passageiro é obrigado a fazer baldeação caso deseje seguir até o Jardim de Alah. A mudança impactou até mesmo a numeração da linha, que passa a ser atendida, de agora em diante, por 213.

Operada pela Auto Viação Alpha, a linha 413 era uma das mais tradicionais da Tijuca. Originalmente, circulava apenas entre a Muda e Copacabana, tendo seu itinerário estendido até a entrada do Leblon por volta de 2010. Com a reorganização do sistema, a Linha 413, ao invés de seguir a Avenida Rio Branco rumo ao Aterro, passa a fazer o retorno na Avenida Presidente Antônio Carlos de volta à região da Muda.

O novo trajeto da Linha 413, seccionada e transformada em 213 em virtude do plano de
racionalização dos ônibus na Zona Sul

Panfleto da Rio Ônibus anuncia as mudanças para este mês de janeiro de 2016


Conde de Bonfim continua sem opções de ônibus via Rebouças

Muito embora o plano de racionalização das linhas de ônibus tenha mantido as linhas 415 (Leblon-Usina) e 426 (Jardim de Alah-Usina), é consenso entre os estudiosos de mobilidade urbana que se perdeu uma grande oportunidade de rever a eficiência dos itinerários afetados ao invés de simplesmente seccioná-los. Um bom exemplo disto é esta linha, a 413, cujo itinerário poderia ter sido transferido para o Túnel Rebouças.

Essa rota alternativa conseguiria oferecer uma opção inédita de coletivo que percorresse grande parte da Rua Conde de Bonfim rumo à Zona Sul via Rebouças, distância mais curta e mais eficiente do que a antiga, via Centro e Aterro do Flamengo. Atualmente, não existem ônibus que façam tal trajeto, com exceção da Linha 416, que circula apenas nos dias de semana em horário comercial, tendo como destino final o Horto do Jardim Botânico.

Além disso, é válido destacar que, aqui na Tijuca, já existem diversas linhas de ônibus que vão para o Centro, sem mencionar as quatro estações do metrô. Neste sentido, a criação da Linha 213 é redundante, sem trazer benefícios mais efetivos ao nosso bairro.

Leia mais artigos relacionados:

19 de jan de 2016

No antigo imóvel do Walmart, a primeira filial dos Supermercados Guanabara na Tijuca

Placa instalada no imóvel anteriormente ocupado pelo Walmart anuncia a chegada da nova empreitada comercial

A movimentação de operários no local não mente. A placa recém-instalada ali, na Rua Almirante Cochrane 146, também não: no lugar do extinto supermercado Walmart será inaugurada uma filial dos Supermercados Guanabara. A ocupação do imóvel pela rede, nacionalmente famosa por promover anualmente saldões que congregam e amontoam uma maré de consumidores, colocará fim ao abandono do imóvel, fechado desde outubro de 2013.

Antigo Complexo Industrial da Brahma e Prédio de Telecomunicações do Rio de Janeiro (TELERJ), o espaço, de 24 mil metros quadrados, abrigará uma portentosa filial dos Supermercados Guanabara, a primeira da Tijuca. A loja mais próxima, até então, era a da Rua Maxwell, no Andaraí, aberta em julho de 2004. Uma das grandes expectativas é a de que, com a chegada do Guanabara na Tijuca, a concorrência entre os supermercados da região fique mais acirrada. O resultado? Maior economia para o bolso do tijucano!

Na página de O PASSEADOR TIJUCANO no Facebook, os leitores se mostraram divididos. Enquanto uns se entusiasmaram com a notícia, outros temem pelo agravamento do trânsito no local:

— Outro lugar que ficará infernalmente cheio e com trânsito caótico no aniversário -, lamentou Leonardo Buntemeyer.

Já a estudante Natalia Silva mencionou as vantagens de se revitalizar aquela área a favor da segurança:

— Eu acho uma boa ideia! Bem em frente tem um ponto de ônibus. O lugar é praticamente deserto em todos os horários. Eu vou e volto a pé da faculdade, morro de medo. Adoro andar a pé pela Tijuca e era complicado passar por ali sem ter medo. Tenho certeza que os prós vencerão os contras! - afirmou, otimista.


Foi batido o martelo: No lugar do extinto Walmart, na Rua Almirante Cochrane, será inaugurada uma filial dos Supermercados Guanabara.


Mundial e Extra: os principais alvos

Mundial, da Rua Santo Afonso: líder na Saenz Peña
Será de 500 metros a distância entre a filial do Mundial da Rua Santo Afonso e a futura loja do Guanabara na Rua Almirante Cochrane. O primeiro, unanimemente tido como o mais em conta da Tijuca, vive abarrotado de gente por seus reduzidos corredores. As filas, dependendo do dia, intermináveis, poderão ganhar um alívio com a chegada do concorrente, que brindará seus clientes com dependências mais amplas e espaçosas.

Por outro lado, o público formado por pessoas de maior idade poderá acabar preterindo o Guanabara pelo Mundial por causa de sua localização. Situado a poucos metros da Praça Saens Peña, o Mundial tem maior acessibilidade a pedestres e está entremeado por comércio de toda sorte. Tal vantagem não será partilhada pelo Guanabara, que, por situar-se em área residencial e erma, possivelmente atrairá o público motorizado.

Já o Extra, que viveu tempos de glória na Tijuca entre meados dos anos 1990 e 2000, será o mais afetado se não reposicionar sua marca entre os tijucanos. A loja do Extra mais próxima da futura filial do Guanabara fica a uma distância ainda menor que a do Mundial: 450 metros, valor equivalente à extensão da Rua Visconde de Figueiredo, onde o Extra se situa na esquina com a Rua Conde de Bonfim.

Extra Supermercado, a menos de 500 metros do novo Guanabara: decadência e preços altos podem
transferir clientes para o novo centro de compras 

A loja, uma das piores em termos de qualidade no bairro, está sempre desorganizada, com falta de produtos e atendimento vagaroso nos caixas. A fachada vermelha, além de esteticamente mal conservada, foi completamente pichada há pouco tempo, degradando a paisagem local. Andaimes rodeiam todo o cumprimento da marquise desde dezembro de 2014, sendo, não raramente, ocupada por moradores de rua. Como se não bastasse, os preços são altos e pouco convidativos.

Para o Extra, restariam duas alternativas: correr contra o tempo para recuperar o estado físico da loja, reposicionando sua marca, ou tornar-se Pão de Açúcar, como aconteceu em bairros como Botafogo e Ingá (em Niterói). Seria uma forma não só de competir com o Hortifruti, em frente, mas também de atuar num nicho de mercado mais selecionado, reservando o nicho popular aos muito mais competitivos Mundial e Guanabara.

Esperemos para ver.

Leia mais assuntos relacionados:

14 de jan de 2016

Com tijucano não se brinca

Artur Xexéo (Reprodução: Internet)
Em 2002, o jornalista Artur Xexéo provocou a discórdia entre os tijucanos ao publicar em sua coluna do Jornal O Globo certa hipérbole quanto à criminalidade que assolava o bairro:

[...] Dizem que vivemos numa guerra civil. Não é bem assim. Numa guerra civil, como em qualquer guerra, sempre há a possibilidade de um armistício. Ou de a guerra acabar. Mas qual é a chance de o conflito que envolve cidadãos do Rio de Janeiro ter um fim? No Rio, só se vai a festas com a garantia de segurança. Ninguém nunca tem certeza de o comércio da Praça Saens Peña estar aberto. Uma vez por semana, é decretado feriado como protesto pela morte de traficante de um dos morros que cercam a Tijuca. 
XEXÉO, Artur. Vivendo numa cidade entregue a Deus. Festa com comboio protegido por seguranças? Está ficando cada vez mais difícil ser carioca. Jornal O Globo, Segundo Caderno, 28 ago. 2002.

Para quem não se lembra do contexto da época, um refresco:


Capa do O Globo, de 20/08/2002
Naquela época, a Tijuca viveu episódios violentos de grande repercussão por causa da disputa pelo tráfico de drogas no Rio de Janeiro. Só em agosto de 2002, o comércio do bairro foi fechado duas vezes a mando dos líderes de facções criminosas presentes nas favelas da região. No dia 20, os comerciantes da Praça Saens Peña foram obrigados a paralisar suas atividades em luto forçado por traficante do Morro do Salgueiro morto pela PM. Dez dias antes, foi a vez das lojas da Muda e Usina, entre as ruas Medeiros Pássaro e Uruguai, baixarem suas portas por condolências a outro criminoso morto durante tiroteio com policiais no Morro da Formiga.

Assaltos, arrastões e balas perdidas também fizeram parte do cenário do bairro por pelo menos uma década. No entanto, para os tijucanos, a imprensa era injusta ao noticiar tais fatos de violência como peculiares unicamente à Tijuca, e não à cidade como um todo. Por muitos anos, ficamos estigmatizados como o único "bairro do perigo" na cidade - também chamavam-nos de "bairro decadente" - por culpa da opinião pública. Xexéo não ficou imune às críticas dos tijucanos, que, bairristas, trataram de defender seu torrão. Os depoimentos foram gentilmente publicados na coluna da semana seguinte:

[...] Acho que exagerei. Outro dia escrevi aqui que "ninguém nunca tem certeza de o comércio da Praça Saens Peña estar aberto. Uma vez por semana, é decretado feriado como protesto pela morte de traficantes de um dos morros que cercam a Tijuca". As queixas não tardaram. "Desta vez você falou besteira. A despeito da barbárie que isso significa, aconteceu apenas uma vez", assinala Paulo Roberto Granja. 
"Nós, moradores deste bairro, não temos conhecimento de que uma vez por semana o comércio da Praça Saens Peña fecha. Só se é aos domingos! Fique sabendo que esta foi a primeira vez que isto aconteceu. De outra vez foi na Rua Conde de Bonfim, perto do Borel, e não em toda a Conde de Bonfim como pensa quem lê os jornais. Seria interessante que você viesse ao nosso bairro que é tão violento quanto qualquer outro do Rio ou de outras cidades do Brasil, mesmo acompanhado de seguranças para sua maior tranquilidade, para comprovar que as pessoas aqui levam uma vida normal, andam de ônibus, vão às lojas, aos shoppings e, logicamente, saem menos à noite como em todos os demais bairros. Parece que só aqui existe violência, mas leio diariamente notícias sobre assaltos e outros crimes em vários bairros como Botafogo, Barra, Recreio, Copacabana, embora a imprensa não dá o mesmo destaque", reclama Eugenia Szoor. 
"Como o senhor pode dizer uma coisa dessas? Só porque ouviu nas duas últimas semanas essa notícia, já condenou a Tijuca para o ano inteiro? O senhor sabe muito bem quais são os cariocas mais bairristas do Rio: os moradores da Ilha do Governador, os tijucanos e, apesar de tecnicamente não serem do Rio, os icaraienses. Então, como tijucano, solicito que esclareça em sua coluna que não foi bem isso o que queria dizer", exige Roberto Oliveira. Moral da história: com tijucano não se brinca. Portanto, não foi bem isso o que eu queria dizer.

XEXÉO, Artur. Os excluídos do cabelo duro. Como não dormir de touca e enfrentar tijucanos ofendidos. Jornal O Globo, Segundo Caderno, 1 set. 2002.

A repercussão do tema durou mais de duas semanas, fazendo com que o jornalista
dedicasse mais espaço à opinião dos leitores

Os e-mails e cartas não pararam, fazendo com que o assunto rendesse por mais de duas semanas. Xexéo reservou parte de sua coluna do dia 8 de setembro de 2002 para publicar, daquela vez, o relato de um tijucano que, diferentemente dos outros, ratificava a perspectiva levantada pelo jornalista no estopim da história. O título dessa coluna era sugestivo, "Entre tijucanos e insulanos", trazendo, ainda, comentários sobre o então recém-lançado filme "Cidade de Deus":

A Tijuca é mesmo uma caixinha de surpresas. Foi só eu voltar atrás e acabar admitindo que o bairro não é tão violento quanto pintam, para aparecerem os tijucanos que não acham nada disso, muito pelo contrário. Fala que eu te escuto, Reynaldo Tavares: 
"Desculpe-me abordá-lo com um tema já comentado, porém, como tijucano, com dois filhos no Colégio Marista São José, praticantes de esportes no Tijuca Tênis Clube e que estudam inglês também no bairro, quero dizer que não posso entender a posição de avestruz tomada por meus vizinhos e citada por você em sua coluna de domingo, pois tudo que você escreveu ainda é pouco para descrever o calvário em que vivemos no bairro. Quando dizem que a vida está normal pois continuam andando de ônibus, eu digo: e sendo assaltados! A Praça Saenz Peña é, sim, uma praça de guerra até o anoitecer, pois no acender das primeiras luzes é tomada por ambulantes agressivos e protegidos por algum tipo de poder paralelo, pois nada os assusta nem lhes causa respeito. Você não aumentou nada. O inferno é aqui e agora". 
Vocês são tijucanos, vocês que se entendam. Eu tô fora. No Bairro Peixoto. 
XEXÉO, Artur. Entre tijucanos e insulanos. Uma galinha no caminho da crítica a 'Cidade de Deus'. Jornal O Globo, Segundo Caderno, 8 set. 2002.

-------------------------------

Opinião de O passeador tijucano:

O que vou falar não é novidade para nenhum tijucano, mas apenas a confirmação - somos bairristas e contraditórios. Apesar da violência ter atingido toda a cidade, de 1990 a 2007 a Tijuca foi o bairro de classe média do Rio de Janeiro mais simbolicamente atingido pela falta de segurança pública. O depoimento da primeira leva de leitores reflete a principal faceta do tijucano, a de que só quem tem o direito de falar mal ou de se referir negativamente à Tijuca são seus próprios moradores. Todas as informações que, porventura, firam a imagem do bairro são atenuadas e contra-argumentadas por meio de suas palavras. Isso fica muito claro.

O leitor da última coluna, que corrobora com a perspectiva de Xexéo, aprofundando-a conforme sua experiência enquanto espectador (e participante) desse cenário, já representa o time dos bairristas "lúcidos". Observem que antes de dar o recado, Reynaldo Tavares enumera todas os hábitos que o legitimam como um "verdadeiro tijucano" para aí, sim, criticar aquele território onde está inserido e que o pertence.

De todas as formas, Xexéo estava certo: com tijucano não se brinca.

-------------------------------

Feliz 2016!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...